O poder do foco e a lei da atração

O poder do foco e a lei da atração

Entenda neste artigo o quão importante é este assunto do “foco”, de que forma isso pode nos ajudar ou atrapalhar a conquistar os nossos objetivos e qual a sua relação com a lei da atração

Vivemos atualmente num momento de grande facilidade de acesso a quase todo e qualquer tipo de informação. Em meio a tanta facilidade é muito comum simplesmente pularmos de um assunto para o outro em questão de segundos, ou nos envolvermos com múltiplas tarefas e projetos sem nos aprofundarmos o suficiente em nada. Esse tipo de comportamento reduz em muito o nosso potencial de realização. 

Você já deve ter ouvido falar ou lido a respeito da famosa “Lei da Atração” e talvez conheça pessoas que dizem que a lei da atração não funciona para elas ou que funciona ao contrário.

O foco deste artigo não é a Lei da Atração, e sim, como a nossa capacidade de focar no que realmente queremos pode nos ajudar a alcançar nossos objetivos. Entenda isso e você poderá ter a Lei da Atração como uma grande aliada em sua vida e não mais como um problema.

O assunto do foco e da atenção vem sendo objeto de estudos tanto da Psicologia como da Neurociência Cognitiva, dentre outras disciplinas (LIMA, 2005). Os mecanismos responsáveis pelo controle da atenção possibilitam a interação do indivíduo com o meio ao seu redor de forma organizada, voluntária e involuntária. Tais mecanismos têm relação direta com os processos de ensino e aprendizagem uma vez que estes solicitam certos níveis de atenção para que os estudantes alcancem seus objetivos.

Segundo Ferraz (2005 citando JAMES, 1890, p. 375), a atenção pode ser entendida conforme a citação abaixo:

“Todos sabem o que é a atenção. É a ação de tomar posse realizada pelo espírito, de forma clara e vívida, de um entre outros vários objetos ou séries de pensamentos simultaneamente possíveis. Focalização, concentração da consciência são sua essência. Implica o afastamento de algumas coisas para ocupar-se efetivamente de outras, e é em condição que tem seu contrário real no estado confuso, ofuscado e desregrado, que em francês se chama distraction e em alemão Zerstreutheit.”

A partir da citação acima, observa-se que o ato de concentrar a atenção em algo, focar, requer a ação de realizar “o afastamento de algumas coisas para ocupar-se efetivamente de outras”, assim como as pessoas fazem quando querem estudar e se isolam em um quarto fechado, querem namorar e vão para um lugar reservado e aconchegante, querem trabalhar seu lado espiritual e buscam um ambiente propício para isso, querem crescer na vida e melhorar seus rendimentos financeiros e buscam cursos e livros a respeito, dentre inúmeros outros exemplos.

Todas estas situações servem ao princípio de selecionar os estímulos e informações que se deseja, afastar-se de fontes de distrações externas e concentrar a atenção, manter o foco em algo em especial, algo que realmente seja desejado, a fim de se obter um melhor resultado.

“Algumas pessoas acham que foco significa dizer sim para a coisa em que você irá se focar. Mas não é nada disso. Significa dizer não às centenas de outras boas idéias que existem. Você precisa selecionar cuidadosamente.” – Steve Jobs

Quando se fala em “selecionar o que se deseja” entende-se uma ação de filtragem de estímulos e informações que serão ou não percebidas pelos nossos sentidos. Essa função de selecionar o que a pessoa notará ou não conscientemente, compete a estrutura cerebral conhecida como Sistema de Ativação Reticular (SAR), que atua como uma espécie de filtro que só nos permite perceber as informações e estímulos que estão no foco da nossa atenção, que são importantes para o nosso intuito.

Essa estrutura também atua como um potencializador que amplia, amplifica a nossa percepção para tudo aquilo que está relacionado com o objeto do nosso desejo principal ou foco de atenção, orientando o nosso comportamento e evidenciando a importância de se manter em mente bons estímulos e influências positivas (LIMA, 2005; ROBBINS, 1993).

Um exemplo clássico da atuação do SAR é aquele de quando uma pessoa, por exemplo, compra um carro ou apenas começa a desejar muito adquiri-lo e como que num passe de mágica, de repente começa a ver pessoas e mais pessoas passando com aquele veículo da mesma forma, cores e detalhes que ela também deseja.

Será mesmo que de uma hora pra outra aquele veículo entrou para a moda e todas as pessoas deram um jeito de comprá-lo ou será que a mudança ocorreu na sua forma de ver as coisas ao seu redor?

A resposta está na segunda opção. Foi o foco de atenção, a percepção do indivíduo que se alterou quando o mesmo começou a desejar aquele objeto em particular e então atribuiu maior importância ao mesmo.

Neste momento, o SAR recebeu a mensagem de que deveria selecionar predominantemente as informações referentes aquele objeto e relegar a um segundo plano tudo que não se relacionasse com o mesmo, ou pudesse de alguma forma contribuir positivamente para sua conquista. Ou seja, o objeto agora em foco sempre esteve lá, as pessoas sempre passavam pelo indivíduo com ele, mas como não era importante, como não estava no foco, a pessoa simplesmente não os via.

Para o processo de Coaching e o de ensino e aprendizagem no geral é especialmente importante compreender tais mecanismos descritos acima, porque muitas vezes todo um processo educativo pode ficar comprometido simplesmente porque o aprendiz não levou em conta a importância de ter um foco definido e de concentrar sua atenção nele. Ou então porque o ambiente não proporcionou ao mesmo a desejada filtragem de estímulos e informações que poderiam favorecê-lo em seu desenvolvimento.

Entende-se então com isso, que não só para o processo de Coaching, mas para tudo na vida, aquilo em que concentramos a nossa atenção e o nosso foco se fará mais presente em nosso dia-a-dia, influenciando diretamente nas nossas possibilidades de escolhas, ações e comportamentos.

Uma pessoa que direciona seu foco para acontecimentos ruins, por exemplo, estará levando seu SAR a ampliar sua percepção para este tipo de ocorrência e influenciando a pessoa a ver o mundo ao seu redor de uma forma negativa.

Da mesma forma, seu crescimento pessoal também está sob igual influencia e relação, de modo que a medida que esta pessoa direcionar predominantemente seu foco de atenção para as fontes de estímulos, informações, orientações, estratégias, pessoas, atividades, coisas e fatos que possam contribuir positivamente para o seu crescimento e desenvolvimento, mais recursos e oportunidades começarão a ser notados por essa pessoa, ampliando suas possibilidades de escolha e podendo acelerar seu processo de crescimento como um todo.

Aquilo que prende a atenção determina a ação.” – William James

Agora responda para si mesmo:

– Onde está o seu foco atualmente?
– Em que você pensa a maior parte do tempo?
– Você está focando no seu objetivo ou está se deixando levar por coisas circunstanciais e urgentes?

Talvez o que você precise mudar para alcançar o seu objetivo seja justamente aprender a focar no positivo e manter o foco no que realmente é mais importante e prioridade para você. Portanto, que tal começar por definir os seus objetivos e prioridades pessoais, profissionais e financeiras? Fazendo isso você estará dando o primeiro passo importante. O segundo é elaborar um plano de ações estratégicas e começar a agir.

“Lembre-se sempre, o seu foco determina a sua realidade.” – George Lucas (Star Wars – Episódio I)

Pense a respeito, e se não souber como começar, busque a ajuda que você precisa.

Um forte abraço e desde já, muito sucesso e prosperidade em sua vida.

Este texto é parte da minha monografia de graduação.

Fonte: Professor Leandro Marcelino de Lima – monografia de graduação intitulada: Coaching – Construindo um modelo mental de sucesso: A Educação Física em prol do Desenvolvimento do Potencial Humano (março/2011). Instituto de Educação Física e Desportos (IEFD) / Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Referências bibliográficas

LIMA, Ricardo Franco de. Compreendendo os mecanismos atencionais. Ciências e Cognição. Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, SP, Brasil. v. 06; p. 113-122. 2005. Disponível em: http://www.cienciasecognicao.org/pdf/v06/m24554.pdf. Acessado em: 11/03/2011.

FERRAZ, Gustavo Cruz. Consciência e atenção: Algumas considerações acerca das abordagens de William James e Aron Gurwitsch. 2005. 110 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Instituto de Psicologia / Programa de Pós-Graduação em Psicologia, 2005. Disponível em: http://teses.ufrj.br/ip_m/gustavocruzferraz.pdf. Acessado em: 11/03/2011.


Fonte: Artigos Administradores / O poder do foco e a lei da atração

Os comentários estão fechados.