O que aprendi com “Batman vs Superman”

O que aprendi com “Batman vs Superman”

(Com alguns spoilers, mas acho que você não se importa)

“Batman vs Superman” parece ser aquele fenômeno de que ninguém se cansa de falar. Fale bem, falem mal, mas falem de mim, como diria FHC. Como todo mundo parece sempre querer mais, resolvi escrever sobre as lições que aprendi com o filme.

Curtindo a vida adoidado

O Batman é um personagem complexo e, em muitas de suas versões, bastante sério, traumatizado com a morte dos pais, obsessivo com seu treinamento e dono de uma mente extremamente analítica que o coloca como um dos maiores detetives da ficção. Neste novo filme, Ben Affleck nos mostra o valor de curtir a vida. O Mordomo Alfred passa o filme reclamando dos vinhos caros que ele anda tomando e o fato de ele não ter filho se continuar acordando ao lado de mulheres fantásticas. O Batman Ben Affleck sabe curtir a vida. Mora numa casa bacana, em vez de reconstruir a mansão velha dos pais. Marca seus inimigos para não confundir quem é quem. Mantém uma bela fantasia decorativa no meio da sua garagem e está tão ocupado se distraindo que esquece de usar seus poderes de detetive praticamente o tempo todo.

Perry é um chefe ruim. Não seja como ele

Perry, como você sabe, é o editor a quem Lois e Clark respondem. Clark passa o filme inteiro ignorando as ordens dele, e o máximo que o cara faz é rolar os olhos para o alto e reclamar. Lois entra correndo durante uma reunião com outras pessoas pedindo para viajar. Claro! Logo depois, ela pede um helicóptero. Perry diz que a empresa não tem dinheiro. “Mas é por motivos pessoais”, diz ela. “Arranjem um helicóptero para essa moça!”, responde Perry, o chefe que torra dinheiro. O descaso é tanto que fiquei sem entender como o jornal consegue fechar uma edição. Ou pagar as contas.

Bruce é um bom chefe, seja como Bruce

Em uma cena, a cidade está sendo destruída, quase chegando ao prédio do Bruce Wayne. Bat-Afleck, agora vestido de Bruce, liga para um funcionário e manda todo mundo sair. Até então, ninguém tinha percebido as explosões logo ali ao lado, ou que o prédio estava a perigo de cair. Tinha um ou outro olhando para fora, mas ali atrás estava todo mundo trabalhando. Foi preciso o chefe mandar todo mundo sair pra eles salvarem as próprias vidas! Isso que é respeito pelo chefe! Isso é amor à camisa!

LEIA TAMBÉM

Aparências importam

No meio de uma missão, Bat-Ben Afleck para tudo para ficar admirando uma mulher bonita. Logo depois, apesar de se comportar como uma máquina assassina e trucidar qualquer um que pisque para ele de forma errada, ele deixa a tal mulher bonita passar a perna nele e sair caminhando totalmente ilesa por nenhum motivo além do fato de ele a achar bonita. No mundo real, há pesquisas que mostram que pessoas mais altas ganham melhores salários, outras que pessoas bonitas têm mais chances e vantagens em suas vidas e carreiras. O simples fato de usar roupas de grife te torna mais confiante em si mesmo. A lição? Se você fica bem com um vestido daqueles, use o vestido!

Faça benchmarking

Na fatídica cena da luta entre o homem-morcego e o alienígena voador, Batman não está com sua roupa de sempre, mas com uma super armadura blindada. Seria novidade se eu não tivesse visto a mesmíssima cena quando o Homem de Ferro brigou com o Hulk. Está certo que a Marvel é mais colorida e a DC é para quem gosta do escuro, mas sendo o cara inteligente que é, obviamente Bat-Ben Affleck foi ao cinema, teve ideias e construiu sua Hulk-Buster, er… Bat-Armadura.

Atinja seus objetivos como o Super-Homem

Nos quadrinhos e nos filmes, uma das grandes questões é a busca pelo Super Homem de se disfarçar e ter uma vida normal entre nós, e usar sua roupa bacana e ser “Super” quando necessário. Muita gente questiona como o Super Homem consegue enganar tanta gente apenas trocando de roupa e colocando um óculos. Ao ver essa versão nas telas, finalmente temos a resposta. Se você não quer ser percebido, não chame atenção. O ator que faz o Super-Homem, sabiamente faz umas duas expressões faciais o filme inteiro. Quer melhor modo de passar despercebido do que esse? Humanos? Mais um pouco e o Super conseguiria se passar por uma pedra.

O Aquamen é legal. Seja como o Aquaman

Todo mundo esperava o Aquaman. Ele é gatão, tem cabelos maneiros e nada como ninguém. Nenhum personagem na história do cinema conseguiu um impacto tão grande quanto o Aquaman conseguiu por minuto nesse filme. Quando ele apareceu, todo mundo ficou feliz e falou: “Nossa, o Aquaman”. E, enquanto você pensava nessa frase, o herói sumiu para não voltar mais. Na vida, o que importa é maximizar os resultados. Sabe aquela coisa de que eficiência é usar os mínimos recursos necessários para atingir os objetivos? Ninguém atingiu o objetivo de causar impacto nesse filme com a eficiência do Aquaman. O que importa é a marca e o retorno financeiro.

Eu adoro o Batman. Minha mãe tem uma foto de mim criança fantasiado de Batman pendurada na sala. Eu tenho um tapete do Batman. Meu Wifi chama Batman e eu lembro que o Val Kilmer já foi o Batman. Consequentemente, eu vejo qualquer coisa que tenha o Batman. Da mesma forma, a Apple lançou dias atrás um celular igualzinho ao Iphone 5s, um modelo de 3 anos atrás, como se fosse uma bela novidade. Uma boa marca é praticamente garantia de ganhar dinheiro. Claro que no curto prazo isso até pode funcionar, mas sem um belo produto pela frente, confiar só na marca periga irritar as pessoas que te amam. Ou as que não te amam tanto assim.

E isso, meus amigos, são algumas das coisas que aprendi assistindo a “Batman vs Superman”.


Fonte: Artigos Administradores / O que aprendi com “Batman vs Superman”

Os comentários estão fechados.