O que aprendi sobre os emocionais – e sobre eu mesmo

O que aprendi sobre os emocionais – e sobre eu mesmo

Logo cedo percebi que era uma pessoa com um perfil emocional. Será que sobrevivo ao mundo corporativo sendo essencialmente emocional?

Logo cedo percebi que era uma pessoa com um perfil emocional. Naquela época estouravam teorias que colocavam em extremos opostos “racionais x emocionais”.

Começou aí minha primeira crise profissional…

Será que sobrevivo ao mundo corporativo sendo essencialmente emocional?

Essa questão surgia graças a supervalorização dos perfis racionais para solução de problemas e alcance de resultados, questões que estão no centro das preocupações das organizações.

Me sentia entrando em campo com meu time perdendo de 3 x 0. Os “racionais” possuíam craques como Albert Einstein, Isaac Newton e Santos Dumont. E o nosso time… bem, nosso time era um “catado” de humoristas, comunicadores e religiosos.

Qualquer pessoa mais atenta sabe que este cenário não condiz com a realidade. Essa experiência é fruto da minha imaturidade naquele momento e do despreparo daqueles que, tentando me ajudar, me colocavam em cheque.

Levou um tempo e muito esforço para que eu pudesse colocar uma luz sobre esse tema. Passei gradativamente a filtrar os feedbacks recebidos, escolher mentores genuinamente interessados e ir em frente focando no que eu podia fazer diferente.

E o que aprendi sobre os “diferenciais de perfil das pessoas emocionais”? O que eles têm que nenhum outro perfil supera?

Brilho nos Olhos – Os emocionais se engajam e buscam o engajamento. “Compram o objetivo” e vão até o fim. São bons de “briga”;

Lideram – São persuasivos, focados na ação e em influenciar;

Buscam o consenso – Por conta da sensibilidade, buscam alinhamento e consenso na maioria do tempo;

São Transparentes – Potenciais perdedores numa mesa de poker! Tudo fica “escrito” no seu rosto;

Buscam a Criatividade – Gostam do novo e adoram ser reconhecidos. Essa é a chama para você tirar coisas maravilhosas da cabeça desse pessoal;

Aprendem com Facilidade – As emoções são excelentes para destacar experiências. O aprendizado vem por consequência. Um “emocional” dificilmente se esquece de um erro que cometeu. Isso gera aprendizado;

Desenvolvem Relacionamento – Buscam bons relacionamentos no dia-a-dia para que o trabalho traga significado para sua vida e a vida dos outros;

Ensinam – Enfatizam o que é importante, desdobram objetivos com facilidade, assumem e provocam a participação;

Hoje escrevo isso com um enorme prazer, pois o auto conhecimento é libertador. Da angustia do passado a percepção de hoje, fica a certeza que “muita água passará por debaixo da ponte” e que as sinapses não param… e nem o tempo!

Sejam emocionais, racionais e felizes!


Fonte: Artigos Administradores / O que aprendi sobre os emocionais – e sobre eu mesmo

Os comentários estão fechados.