O que é direito seu, é direito seu. E o que é direito meu, é direito meu

O que é direito seu, é direito seu. E o que é direito meu, é direito meu

No ato do “acerto de contas”, é preciso que o empreendedor tenha coragem em dizer a frase que estampa o título desse texto: o que é direito seu, é direito seu. E o que é direito meu, é direito meu, e dele eu não abro mão.

Muitos empreendedores acabam se sensibilizando com a situação do seu funcionário na hora do “acerto de contas”, e por isso preferem optar em aceitar acordos onde eles supostamente estariam demitindo esse funcionário sem justa, quando na verdade, é o próprio funcionário que está solicitando sua saída.

Tal fraude, que visa o recebimento ilegal do seguro desemprego pago pelo governo, é uma das causas responsáveis por gerar um enorme rombo nos cofres públicos do nosso país.

Não precisa me dizer se você não quiser, mas tenho certeza que você conhece alguém que já praticou esse ato.

O que venho percebendo é que, excluindo os empresários de “coração mole”, os patrões que aceitam esse trato são aqueles que dificilmente cumprem com todas as exigências trabalhistas que a lei exige. Dessa forma, com um pensamento de “eu livro a sua e você livra a minha”, eles acabam assumindo esse enorme risco para suas empresas.

Já aqueles empresários que apesar das inúmeras dificuldades tributárias do nosso país, ainda conseguem manter suas obrigações trabalhistas em dia, não devem ter medo de prejudicar sua imagem ao negar tal pedido.

Para isso, no ato da negociação, é preciso que o empreendedor tenha coragem em dizer a frase que estampa o título desse texto: o que é direito seu, é direito seu. E o que é direito meu, é direito meu, e dele eu não abro mão.

Ao expor de forma convicta de que não compartilhará com tal atitude, o dono da empresa deixará um recado bem claro não só ao funcionário que está indo embora, como a todos aqueles que ainda permanecerão na organização, e que de certa forma ficarão sabendo sobre o que aconteceu: que em sua empresa, a legislação trabalhista é seguida à risca. 

Porque no fim das contas, não existe melhor sensação para o empreendedor do que aquela de poder dormir com a cabeça tranquila.


Fonte: Artigos Administradores / O que é direito seu, é direito seu. E o que é direito meu, é direito meu

Os comentários estão fechados.