O que mudou no mercado da tecnologia desde o lançamento do Windows 95

O que mudou no mercado da tecnologia desde o lançamento do Windows 95

Há 20 anos, o software de Bill Gates marcou o começo de uma nova era para a tecnologia

No dia 24 de agosto de 1995, o Windows 95 foi apresentado ao público. Poucos sabiam, mas aquele momento marcava o início de uma revolução para o mercado da computação doméstica e também foi o pontapé para o salto da Microsoft. A notícia do lançamento do software repercutiu mundialmente e levou inúmeros consumidores até às portas das lojas, que aguardavam em filas que se alongavam por quarteirões para adquirir e experimentar a novidade (fenômeno que pode ser visto nos dias atuais a cada lançamento da Apple). 

Há 20 anos, os atores Matthew Perry e Jennifer Aniston (Chandler e Rachel do seriado Friends) estrelaram um vídeo de uma hora apresentando as funcionalidades inovadoras do software; o Empire State Building, em Nova York, e o CN Tower, em Toronto, foram iluminados com as cores da Microsoft; e os Rolling Stones receberam uma quantia milionária para que Start Me Up pudesse ser usada na propaganda televisiva do Windows 95 (veja abaixo). 

Oficialmente, a computação já existia há mais de uma década, mas até aquele momento nada havia sido tão impactante. A primeira versão do software foi tão significativa que marcou não apenas o início de uma revolução digital, mas também cultural. Até os dias de hoje, as características da primeira versão continuam a definir o sistema operacional da Microsoft. O Menu Iniciar, por exemplo, tornou-se tão popular que quando foi retirado em 2012, no Windows 10, a empresa foi praticamente obrigada a reintegrá-lo. 

O Windows 95 deu aos computadores um aspecto mais visual, apresentando um design gráfico que ia muito além de números e planilhas. Os consumidores perceberam que um computador poderia ser um bom meio para obter informações, se divertir e também se comunicar a longa distância, principalmente após o lançamento do Internet Explorer, que se tornou o primeiro navegador de muitas pessoas dos anos 1990. 

Bill Gates, co-fundador e então presidente-executivo da Microsoft, trabalhava em sintonia com os desenvolvedores de hardwares e foi o rosto dessa revolução. Todos os investimentos com pesquisas para o desenvolvimento de tecnologias de ponta custaram muito, mas tiveram seus retornos. Em 1998, apenas três anos após o lançamento do Windows 95, a empresa tornou-se a maior do mundo e, com mais um ano, seu valor de mercado bateu o recorde, chegando a ser considerada a mais valiosa da época

Entre erros e acertos

Entretanto, para tudo existe o outro lado da moeda e a fama tem seu preço. A popularidade e dominância no mercado levou autoridades norte-americanas e europeias a processarem a empresa alegando práticas anticompetitivas. Além disso, o consumidor exigente, satisfeito com sucessos como o Windowns 2001 e o XP, voltou-se contra o Windows Vista, em 2007, que veio repleto de erros de software. 

O erro e problemas da Microsoft coincidiram com o lançamento do iPhone pela Apple, que apareceu no mercado poucos meses após o Vista. Novas tecnologias surgiam e não mais se resumiam à Microsoft. Quase apático diante das modificações do mercado, Gates aos poucos deixou a marca à margem do mercado de smartphones e não acompanhou o lançamento das novidades tecnológicas da época. 

Joi Ito/Flickr/Arte Administradores

 

Coincidência ou não, esses fatores tiraram a gigante dos anos 90 do foco do consumidor na passagem dos séculos. O sucessor de Gates, Steve Ballmer, que assumiu o posto de presidente-executivo da empresa entre 1998 e 2014, tentou articular tardiamente formas para enfrentar seus maiores concorrentes da era digital móvel, a Apple e a Samsung, e pagou aproximadamente US$ 5,5 bilhões para adquirir uma parcela da Nokia.

No entanto, Satya Nadella, atual presidente-executivo da Microsoft, admitiu que a decisão foi um erro, segundo informado pelo Telegraph. Diferentemente de seus antecessores, Nadella adotou uma postura cooperativa ao invés de um posicionamento agressivo (como a Microsoft vinha adotando com Gates e Ballmer). Desde que assumiu o cargo, no ano passado, vem valorizando os pontos fortes da empresa, focando no desenvolvimento de software de produtividade, armazenamento em nuvem e de vendas de negócios, em vez de querer “dominar o mundo”.

O novo mercado e o Windows 10

GIF reúne evolução do sistema da Microsoft em 15 segundos – Divulgação/Pictoline

Nadella parece ter entendido bem a nova geração. De acordo com a Ofcom, no ano passado os smartphones ultrapassaram os laptops e se tornaram o dispositivo mais importante de acesso à internet. Além disso, a disseminação da pirataria e de softwares de código-aberto facilitada no meio digitial deu origem a um novo perfil de usuário de computadores, que estão dispostos a pagar por softwares ou funcionalidades extras. 

E foi isso que fez com o mais recente software da Microsft. No lançamento, não existiram prédios iluminados, grandes estrelas apresentando as novidades ou cantando para o mundo sua chegada. Ao invés de filas de compradores nas ruas, Nadella apostou em uma fórmula diferente e disponibilizou o downaload gratuito do Windowns 10 para todos os usuários, inclusive para aqueles que utilizam cópias piratas.

A primeira revisão do software em três anos vem agradando os usuários e a ação de lançamento foi avaliada positivamente — 92% dos usuários dizem estar satisfeitos, segundo a pesquisa I hate Windows 10 x I love Windows 10 (Eu odeio o Windows 10 x Eu amo o Windows 10), da Brandwatch. O primeiro dia de download a Microsoft consegiu quebrar os recordes de tráfego na internet e o posicionamento inovador e surpreendente do novo presidente está levando muitos a acreditar que a Microsoft está a caminho de retomar seu lugar no mercado e reviver o espírito de 1995 — será?


Fonte: Notícias Administradores / O que mudou no mercado da tecnologia desde o lançamento do Windows 95

Os comentários estão fechados.