O storytelling faz o seu negócio mais humano?

O storytelling faz o seu negócio mais humano?

Dizem que uma imagem vale mais que mil palavras. Histórias contadas com humor e emoção são mais lembradas e suas mensagens são mais absorvidas pelas pessoas. Como as empresas podem utilizar eficazmente o poder da contação de histórias em vídeo para engajar seus públicos interno e externo no comprometimento com causas sociais e ambientais.

No mês de março, o Centro de Cidadania Corporativa, da Carrol School of Management, da Boston College, realizou em Atlanta, nos Estados Unidos, a edição 2016 da Conferência Internacional de Cidadania Corporativa. 

Para este ano, foram introduzidas novas categorias da competição no  8 ° Festival Anual de Filmes sobre Cidadania Corporativa, da Conferencia, e apresentada uma ampla seleção de programas incríveis em videos sobre melhores praticas de responsabilidade socioambiental. 

Cerca de 500 profissionais de diversos países trocaram conhecimento e experiências necessários para liderar a luta contra alguns dos desafios sociais e ambientais mais prementes. Houve muitas conexões e insights.

Na cerimonia de premiação, patrocinada pela empresa de cosméticos Mary Kay, Kirsten Gappelberg, gerente de responsabilidade social da empresa de cosméticos americana, compartilhou a mentalidade que permite que sua equipe crie vídeos que aumentam o engajamento das pessoas em torno da causa que a marca apoia: a violência doméstica. A Mary Kay foi premiada no ano anterior.

“Nossos cérebros processam informações visuais 60.000 vezes mais rápido do que palavras”, disse Gappelberg. “Um vídeo de um minuto, então, ser considerado equivalente a cerca de 1,8 milhões de palavras. Na Mary Kay, usamos o poder do vídeo para envolver mais de 600.000 pessoas que têm sua afiliação a Mary Kay. Nós queremos que eles saibam e os seus clientes também que a Mary Kay é muito mais do que batom e Cadillacs cor de rosa. “

Gappelberg delineou cinco princípios que a empresa emprega para garantir que seus vídeos sejam mensagens atraentes para seus públicos-alvo. Para envolver as partes interessadas, ela argumentou, vídeos eficazes devem:

  • Mostre sua personalidade

  • Transporte o público para as linhas de frente do seu projeto

  • Seja humilde e vá direto ao ponto

  • Dê ao seu público uma chamada para a ação

  • Tenha uma estrategia de distribuição

Gappelberg destacou não somente os vídeos da causa da Mary Kay, mas também aqueles videos que sua equipes admiram em outras empresas e ONGs. Gappelberg forneceu exemplos de algumas maneiras de como as organizações abriram um diálogo sobre questões importantes usando as seguintes ferramentas:

-Humor: a executiva explicou que o humor ou outras emoções são ativadas junto ao público, as mensagens são recordadas com mais facilidade.

– Ativação. Dando ao seu público uma ação específica a fazer ou uma maneira de ajudar pode ser uma atração poderosa. Se as pessoas sentem que a oportunidade de agir é por tempo limitado, o desejo de participar é ainda mais poderoso. 

– Experimento social. A empresa Always sempre fez isso muito bem em sua campanha “Like a Girl” ou mesmo a campanha “Slap her” da ONG italiana pedindo para meninos para bater numa menina. Veja o excelente video da Always em https://youtu.be/XjJQBjWYDTs e o emocionante video de Luca Lavarone em https://youtu.be/b2OcKQ_mbiQ;

Segundo a Mary Kay, seus parceiros lhe disseram que o grupo esqueceu de incluir um importante fator na importante conversa: os homens! Este ano, a Mary Kay realizou uma experiência social. Eles recrutaram cerca de 50 homens, jovens e adolescentes, e lhes perguntaram “O que significa “Man Up”?

Durante seu discurso, Gappelberg resumiu o que está no coração da capacidade transformadora de contar histórias para envolver e ativar uma audiência em uma questão de cidadania corporativa – o elemento humano. “Contar histórias faz o seu negócio mais humano”, disse Gappelberg. “Nós somos criaturas sociais, e somos influenciados emocionalmente por histórias de outras pessoas. Se você fizer o seu negócio mais humano, você vai ajudar o público a se conectar com a sua organização. É neste contexto, que vai fazê-los querer trabalhar com você e compartilhar essa história com seus amigos. “

Veja o video “Man Up”, da Mary Kay https://youtu.be/b2OcKQ_mbiQ

A conferência me fez recordar da criação e implementação do Programa de Voluntariado Empresarial da NET Serviços, quando ainda era Globocabo S/A, do qual fomos idealizadores no início dos anos 2000.

Na época fizemos um video com vários colaboradores da empresa que já praticavam o voluntariado como uma atividade inspiradora em suas vidas pessoais. Lembro a emoção e entusiasmo dos colegas que contavam, no video, suas experiências e histórias como voluntários nas diversas cidades que a empresa de TV a cabo operava. O resultado foi um significativo engajamento e orgulho na audiência interna e poder de mobilização das equipes em quase 60 cidades para a participação em projetos da NET na comunidade.

Finalmente, estamos confiantes que contar histórias em video são poderosas ferramentas para inspirar e engajar colaboradores e consumidores na adesão a causas apoiadas pela organização,e certamente influenciam o incremento de práticas socioambientais.


Fonte: Artigos Administradores / O storytelling faz o seu negócio mais humano?

Os comentários estão fechados.