Onde estão meus valores?

Onde estão meus valores?

Quando experimentamos as diversas oportunidades que temos, aprendemos novas tarefas, novos modos de viver, novos sentimentos, novas habilidades e, então, podemos compreender o que faz e o que não faz parte de nós

Todo mundo acredita em algo maior para conduzir e moldar seus valores. Caso você não acredite, está somente passando pela vida e aceitando o que lhe impõem. Muitos imaginam que os valores são somente aqueles aprendidos em casa, aqueles que nos ensinaram durante a infância e, na maioria das vezes, na adolescência. Sim, esses são valores aprendidos para que possamos viver, sobreviver e conviver nesse planeta. Porém, ao longo da vida, com o amadurecimento através das experiências e a partir daquilo que acreditamos, podemos adquirir novos valores que vão conduzir todas as nossas escolhas.

Podemos viver a vida toda com os valores aprendidos em casa, apenas para sobrevivência e convivência, porém, estaremos vivendo à sombra dos comportamentos que, muitas vezes, não condizem com a nossa “missão” enquanto ser humano único e irrepetível. É, cada indivíduo tem um talento, um dom, para que não passe em vão pela vida, e essa é a nossa “missão” = não passar em branco pela vida. Mas não nascemos sabendo qual é o nosso dom, o nosso talento que nos diferencia de todos os outros. É por isso que precisamos experimentar.

Quando experimentamos as diversas oportunidades que temos, aprendemos novas tarefas, novos modos de viver, novos sentimentos, novas habilidades e, então, podemos compreender o que faz e o que não faz parte de nós. Somente com a experiência é que conseguimos descobrir aquilo que nos torna únicos e que dá espaço as nossas ações de valor. É, também, experimentando que teremos a capacidade de definir quais são os nossos valores e no que realmente acreditamos.

Não existe certo ou errado. As realidades são diferentes, portanto, não é possível padronizar comportamentos e valores. Nossas escolhas, somos nós quem decidimos e, querendo ou não, somos responsáveis pelas consequências. Teoricamente essa responsabilidade é intransferível, mas, na prática, muitos discordam. Quando escolhemos aquilo em que acreditamos para conduzir nossos valores, devemos, antes de mais nada, saber que as consequências das nossas escolhas continuam sendo de nossa responsabilidade. Nós é quem escolhemos e, portanto, o resultado disso é mérito, único e exclusivamente, nosso. O certo ou errado quem julga é o próprio indivíduo (salvo em casos que envolvam o detrimento de outra pessoa. Aqui me refiro à escolhas que não afetem outrem).

Se puder dar uma sugestão, sugiro que você escolha aquilo que não te imponha limites ou dite regras que não condizem com o que você almeja. Nós estamos aqui para cumprir nossa missão e, quando há limites, somos tolhidos de todos os nossos sonhos, de todas as nossas vontades, de todos os nossos desejos que podem ser favoráveis as nossas ações de valor. Isso só gera frustração e culpa e pode impedir o seu crescimento como Ser Humano.

Tente acreditar em si mesmo. Acreditar no que você sente. Acreditar nas suas escolhas. Assim, não é preciso responsabilizar algo externo ou intangível. O que você deseja torna-se tangível quando colocado em ação e são os resultados que irão lhe dizer se aquilo é bom ou não para você e para a sociedade. Seus valores serão medidos e definidos a partir disso. Portanto, experimente!


Fonte: Artigos Administradores / Onde estão meus valores?

Os comentários estão fechados.