Os 50 reais mais mal investido em um novo negócio

Os 50 reais mais mal investido em um novo negócio

Uma pequena mudança de visão na hora do planejamento, que ajuda a direcionar seu negócio para o alto e avante

Os 50 reais mais mal investido em um novo negócio.


Uma pequena mudança de visão na hora do planejamento, que ajuda a direcionar seu negócio para o alto e avante.

Se você é um profissional autônomo e está abrindo uma empresa de pequeno ou médio porte, fique atento as dicas à seguir, para entender como não investir na sua empresa. Parece bobo, mas acredite, um pequeno “investimento” errado de 50 reais na sua empresa pode impedi-la de crescer caso algumas atitudes não sejam tomadas.

Você já deve ter ouvido falar do plano de negócios e como ele é importante para a validação do seu projeto. Dentro deste plano há um tópico específico relacionado a promoção da empresa. Neste tópico são descritas as estratégias que serão tomadas para que sua empresa impacte o seu público consumidor potencial.

Ao meu ver aqui já existem 2 erros. Primeiro, ao se fazer o plano de negócios o empreendedor já começa avaliando quanto terá que investir para abrir a empresa. Quer dizer que, inevitavelmente o negócio começa no prejuízo. Isso começa a transformar o empreendimento numa aposta.

Claro que dentro do planejamento também é avaliado o público consumidor e potencial de compra dele, contudo ainda se trata de uma suposição. O empresário investe X e terá um possível retorno de 2x de acordo com as pesquisas de mercado.

Digo que isso é um erro ao meu ver, por tornar a ideia de abrir um novo negócio uma aposta. Muitas vezes o empresário acaba dizendo: Poxa “SE” eu conseguir vender x por dia no fim do mês teremos Y e já está ótimo. Essa não é uma mentalidade muito empreendedora, está mais para uma linha de aposta.

Empreendedorismo não é aposta. É por este motivo que um plano de negócios é fundamental, contudo ainda trata-se de apenas um plano, um roteiro. Precisa ser avaliado constantemente e adaptado para garantir que o objetivo do plano seja cumprido (e não arquivado numa gaveta).

O segundo erro que percebo neste processo é a parte de comunicação da empresa que fica por último. Isso quando ela não é totalmente negligenciada ou executada sem a devida atenção, por mera obrigação. Aqui entra os 50 reais de que havia falado no começo.

Depois que a empresa está pronta fisicamente falando, o empreendedor começa a sentir a necessidade de ter uma marca, ele até já tem um nome para a empresa, mas nem sempre esse nome é pensado para atingir o público com eficiência, exaltando as características e valores da empresa.

Neste momento o dono do novo negócio, começa a caçar algum conhecido que pode criar uma “logomarca” para ele. Tem sempre aquele sobrinho que entende um pouco de computação gráfica que pode dar uma mão. Ou o cara da gráfica que já vai fazer os panfletos e cartões. E até mesmo o próprio dono da empresa, afinal de designer, publicitário, advogado e contador todo empreendedor tem um pouco.

Provisoriamente falando, não acho isso um grande problema, contudo os empresários muitas vezes (principalmente no interior) pensam pequeno (devido ao contexto que se encontram) e não enxergam o valor de uma boa marca. O que não quer dizer que você precisa investir milhões, mas deve saber avaliar se aquilo transmite ou não a “pegada” da sua empresa.

Após 3 meses a empresa começa a sentir dificuldades e pode fechar por falta de cliente e o empreendedor acaba frustrado. Sente-se injustiçado com a economia e a política, os clientes…. Em fim daí pra diante tudo é desculpa para justificar o fracasso.

Se isso não acontece, ela pode ficar a mercê da sorte, acabar caindo no gosto dos clientes e crescer descontroladamente, após 1 ou 2 anos, daí fecha. Lembra-se do planejamento? As chances disso acontecer aumenta muito quando ele fica na gaveta.

Basicamente o que eu quero dizer é o seguinte, antes de abrir seu negócio, defina e construa valor. Comece avaliando as pessoas, essa é a matéria prima do mercado.

Pessoas sentem, pensam, avaliam e principalmente compram aquilo que tem valor para elas. Marcas, publicidade, conteúdo, atendimento tudo isso gera valor, até um simples cafezinho na recepção.

Não espere abrir as portas para começar a traçar a ideia de valor que você deseja transmitir aos seus consumidores. Comece construindo-o na etapa do plano de negócios.  O valor do seu produto ou serviço é o que faz os consumidores decidirem gastar dinheiro com você ou não.

Não importa o tamanho do seu negócio, você pode até ser um profissional liberal, saiba que todos já somos uma marca aos olhos do mercado. Você jamais pode se dar ao luxo de pensar pequeno e limitar suas ações.

Os empreendedores hoje devem cada vez mais gerenciar os recursos que possuem para atingir os melhores resultados, avaliando os erros e acertos e principalmente melhorando constantemente. É um ciclo, planejar, executar, avaliar, melhorar.

Se hoje você só dispõem de 50 reais para criar uma marca, não tem problema, faça! Mas tenha em mente que deve melhorar com o tempo, não se permita acreditar que uma solução provisória pode ser permanente. “Não se acostume com o buraco na parede”.


Fonte: Artigos Administradores / Os 50 reais mais mal investido em um novo negócio

Os comentários estão fechados.