Planejamento estratégico: Metodologia OKR

Planejamento estratégico: Metodologia OKR

OKR (Objectives and Key Results) é uma metodologia criada nos anos de 1970 na INTEL por Andy Grove (Húngaro-americano, empresário, engenheiro e autor, conhecido como CEO e presidente do conselho da Intel Corporation) e utilizada por várias outras empresas como Goggle, Twitter, Dropbox, Conta Azul, GoPro entre outras…

OKR (Objectives and Key Results) é uma metodologia criada nos anos de 1970 na INTEL por Andy Grove (Húngaro-americano, empresário, engenheiro e autor, conhecido como CEO e presidente do conselho da Intel Corporation) e utilizada por várias outras empresas como Goggle, Twitter, Dropbox, Conta Azul, GoPro entre outras.

A metodologia OKR consiste em definir e comunicar metas e resultados dentro das organizações. Seu principal objetivo é conectar empresa, equipe e seus objetivos pessoais em prol da realização de resultados mensuráveis, fazendo as pessoas se moverem juntas na direção certa.

Existem várias maneiras de aplicar a metodologia, inclusive dentro das empresas. Aqui vamos seguir os 9 passos mais importantes e aplicáveis a qualquer segmento.

1º. Inicie aos poucos e refaça

Ametodologia não é uma caixa fechada, única e que deve ser utilizada de ponta a ponta, completa.

Uma forma errada de se começar a adotar a metodologia é criando objetivos individualizados, que em geral, criam problemas para os líderes acompanharem. Crie objetivos corporativos e adote em fases, dividindo com seus colaboradores, e deixando as práticas mais complexas para o final, como a Separação de Remuneração.

Comece com um único OKR para gerar foco, alinhamento e compreendimento do todo, com uma duração de, no máximo, 30 dias. Ao final, crie novos OKR´s e aproveite os ciclos para evoluir seu modelo, fechando a cada trimestre.

2º. Treinamento do Porquê e Como

Pessoas precisam de treinamento e de serem educadas no que motivou a adoção de OKR. Explique a importância de metas e os benefícios da metodologia

Fundamental capacitar o time em como fazer, fornecendo treinamentos sobre como escolher indicadores e definir metas reais e mensuráveis. Não ignore os treinamentos e, principalmente, feedbacks.

3º. Foque!

As pessoas tendem a se orgulhar de serem multitarefas, capazes de “girar diversos pratinhos ao mesmo tempo”.

Foco é fundamental, e muitas vezes, por iniciar muitas tarefas e/ou projetos paralelamente sem finalizá-los, tempo e energia são desperdiçados.

Suas prioridades devem ser claras em um conjunto pequeno de OKRs para não se perder o foco no desenvolvimento do processo.

4º. Key Results devem ser métricas

Key Results devem ser métricas e não tarefas:

  • Estamos construindo uma cultura focada em resultados e não em tarefas;
  • Projetos devem ser entregues com sucesso. Se você executou suas tarefas e nada mudou/melhorou, você não teve sucesso;
  • Sua lista de tarefas é somente uma hipótese, você não tem certeza qual ação gerará resultado;

Novamente, foque no objetivo final e não na atividade meio.

5º. Defina OKRs para a organização e desdobre para as equipes

OKRs para a organização normalmente possuem dupla cadência: OKRs anuais de alto nível, que devem ser poucos, e OKRs para o próximo trimestre, que são mais detalhados e desdobrados para as equipes e não precisam estar 100% alinhados com os anuais.

O importante, é que o objetivo não seja perdido e os resultados corporativos alcançados, para não frustrar os envolvidos e colocar a metodologia em descrédito.

6º. Defina os OKRs em sessões

Definição de metas, em geral, é um processo longo e penoso em várias empresas. Defina os OKRs em sessões, por meio de brainstorms, de forma a gerar um alinhamento entre todos, além de engajar as equipes, gerando maior comprometimento.

Mescle as equipes envolvidas para que novas ideias apareçam, definindo OKRs trimestrais, sempre a partir dos corporativos.

7º. Multiplicadores

Multiplicadores internos são importantes no desenvolvimento de qualquer metodologia, principalmente quando envolvemos um número considerável de profissionais. Tal como nas metodologias SCRUM, PMI, ITIL, entre outras, os multiplicadores atuam como agentes de mudança e coaches na implantação e acompanhamento da metodologia, sendo importantes na garantia da evolução dos trabalhos.

8º. Stretch Goals

Stretch goals nada mais é do que determinar objetivos mais “elásticos”, ou seja, que se alteram, em geral, começando pequeno e aumentando com o tempo.

Não inicie um trabalho com metas audaciosas. Construa aos poucos a cultura interna, com metas menores, mas que farão suas equipes se mexerem, sairem da zona de conforto.

Aos poucos, aumente estas metas, crie em suas equipes à vontade de querer mais, de buscar novos desafios, e com o tempo, sua empresa estará praticando verdadeiros stretch goals.

9º. Remuneração x resultados

Na metodologia OKR resultados e remuneração devem ser separados, contudo, não altere a forma de remuneração e definição de metas de uma única vez.

OKRs devem ser mais um input na avaliação de seus colaboradores, e não uma forma isolada de remuneração.


Fonte: Artigos Administradores / Planejamento estratégico: Metodologia OKR

Os comentários estão fechados.