Processo decisório e a queda da ciclovia

Processo decisório e a queda da ciclovia

A recente queda da ciclovia da Avenida Niemeyer no Rio de Janeiro é, de uma forma dramática, um exemplo de decisão mal tomada

“A recente queda da ciclovia da Avenida Niemeyer no Rio de Janeiro é, de uma forma dramática, um exemplo de decisão mal tomada”

Processo decisório é a disciplina chave para um administrador, tanto assim que Peter Drucker, o chamado guru dos gurus da Administração, diz que “o produto final do trabalho de um administrador são decisões e ações”. O fato é que, queiramos ou não, estamos sempre decidindo, pois não decidir já é uma decisão. Assim, o que somos hoje é fruto de nossas decisões tomadas no passado e o que seremos amanhã é frutodas decisões que estamos tomando no presente. E é claro, das ações que faremos para implementar as nossas decisões. E toda a decisão é uma escolha entre alternativas e implica numa relação benefício/custo, importando sempre em riscos, pois como disse o Prêmio Nobel Ilya Prigogine, “a era da certeza acabou”, ou seja, só tem certeza de alguma coisa quem estiver muito mal informado. Vivemos num mundo de probabilidades e assim, sempre existem riscos.

E decidir não é fácil, mas os administradores nem sempre tem consciência da importância e das dificuldades inerentes ao processo decisório. Uma pesquisa conduzida por Paul Nutt, professor da Universidade de Ohio, abrangendo um períodode 19 anos com executivos e gerentes de 365 empresas, constatou que mais de 50% das decisões, de uma forma ou de outra, fracassaram. Reforçando este estudo há a constatação da demissão ou da aposentadoria forçada de um número razoável de CEOs. Só em 2000, por exemplo, foram cerca de 40 em empresas da lista da Fortune 500, tais como Compaq, Gillette, Hewlett-Packard, Xerox e Motorola. E podem tercerteza, estas demissões têm a ver com decisões e ações.

A recente queda da ciclovia da Avenida Niemeyer no Rio de Janeiro é, de uma forma dramática, um exemplo de decisão mal tomada. E o que aconteceu com a ciclovia é o que pode acontecer sempre, com pessoas, empresas, instituições e nações, quando são tomadas decisões equivocadas. Assim, há mais tempo foi feito um estudo sobre empresas que um dia figuraram na lista das 500 da Revista Fortune e se constatou que, pelo menos, um terço delas deixou de existir. E veja bem, que eram as maiores empresas.

E se a ciclovia caiu é porque houve uma decisão mal tomada ou com relação ao projeto, ou com relação à implementação do projeto. E um dos pontos básicos é que não se fez análise de risco. E isto vale para tudo. O que aconteceu com Eike Batista é um outro exemplo. Eike cometeu um erro muito grave de decisão. As decisões de Eike estavam baseadas no pressuposto equivocado de que havia petróleo em abundâncianos campos de que arrematou num leilão, pagando inclusive um preço mais elevado para vencer a concorrência. O fato é que Eike não fez análise de risco. E o mesmo aconteceu com a ciclovia, quando se partiu do pressuposto que sempre haveriam condições favoráveis e de que não haveria ressaca. Assim, a ciclovia foi assentada sobre pilares e não chumbada nos pilares.

Portanto, estamos sempre decidindo e o exemplo da ciclovia vale para qualquer decisão em qualquer área da vida. E são muitos os pecados cometidos em todas as etapas do processo decisório, entre eles os seguintes:

• Não descrever a situação de forma adequada, buscando fatos, coletando informações pertinentes de forma a caracterizar todos os fatores relevantes. E, como consequência, não se definindo adequadamente a situação problema, ou seja, aquela que se quer mudar;

• Tomar decisões em função de análises apressadas e superficiais baseadas em visão de curto prazo e desconsiderações de todos os elementos envolvidos;

• Não separar causa de efeito, não identificando corretamente o que seja uma e outra e consequentemente procurando resolver os efeitos e não as causas;

• Não considerar que tudo o que se faz na vida é uma alternativa. Sempre existem outras;

• Optar por uma alternativa sem antes ter formulado um número adequado de alternativas. A melhor solução de que se dispões é tão boa quanto a melhor alternativa formulada;

• Discutir alternativas sem formulá-la adequadamente, considerando todos os pressupostos explícitos ou implícitos, bem como todo o conjunto de consequências de cada alternativa;

• Decidir sem estabelecer critérios ou ter consciência dos critérios efetivamente utilizados, não considerando também o conjunto de fatores limitativos e pressupostos existente;

• Não planejar adequadamente a implantação da decisão tomada, inclusive com o estabelecimento de mecanismos de controle;

• Acreditar que exista uma alternativa que não tenha pontos negativos e consequentemente não explicitá-los;

Portanto, sempre que você for tomar uma decisão, lembre-se da ciclovia da Avenida Niemeyer, que é a melhor forma de evitar que outras ciclovias caiam. Além disto, quer queiramos ou não, estamos sempre decidindo pois não decidir já é uma decisão.


Fonte: Artigos Administradores / Processo decisório e a queda da ciclovia

Os comentários estão fechados.