Profissional empreendedor: uma nova classe de empreendedores?

Profissional empreendedor: uma nova classe de empreendedores?

Mas afinal, se você tem uma veia empreendedora, porque não empreender seu próprio negócio? É o que todos pensam!

Exceto uma época da minha vida em que queria ter uma escola de dança (mas não tinha nenhuma ideia de como faria), nunca quis fundar uma empresa. Os motivos? Muitos: altos custos de impostos, a responsabilidade em manter funcionários qualificados e motivados, o capital inicial e social, os riscos que todo empresário tem (profissionais e pessoais), entre outros. Até aí, problemas normais, mas altos se compararmos com os do funcionário. Principalmente nesta atual crise, temos visto muitas empresas fechando as portas, sendo que no início investiram pesado em estrutura, RH, treinamentos, etc. Além de ter toda uma história, principalmente se for empresa familiar. 

Apesar disso, sempre fui avaliada pelos meus gestores por ter uma veia empreendedora. Muitos até perguntavam isso mesmo, se não iria criar meu próprio negócio, pois achavam que eu tinha potencial. E tenho! Sempre procurei “abraçar” meu setor, a empresa, as causas, os objetivos, desenvolver minha liderança e trabalhar duro a fim de chegar aonde o empreendedor queria. Mas porque? Você deve estar se perguntando. Porque se dedicar a algo que não é seu e o lucro real não virá até você? (Não da forma que irá para os investidores, proprietários, presidentes…), para que gastar sua formação, conhecimento, habilidades e tempo com algo que não é seu?

Simples:

1- Primeiro, devemos considerar a vontade. O que você tem vontade? Está mesmo afim de empreender em seu próprio negócio? Fazer um plano de negócios, levantar capital, investidores, possíveis sócios, que tipo de funcionários precisam, escolher treinamentos… Se for de sua vontade, deve mesmo ir em frente. Porém, você pode apenas querer fazer a diferença, trabalhando em uma empresa já existente. Portanto, avalie sua real vontade (e o momento) para empreender aonde você quiser!

2- Dinheiro é importante, mas não deve ser o que te move. Você deve trabalhar porque acredita no seu potencial (e que isso pode contribuir para a empresa), porque acredita no produto/serviço da organização, porque gosta do que faz. Quanto menos esperar, estará recebendo uma divisão de lucros, promoção, aumento de salário, bonificação, etc. Dinheiro vem e sempre mediante ao seu esforço e foco no trabalho.

3- É preciso trabalhar de forma genuína. Atuar com o que você acredita para a empresa acreditar em você! Não só estará contribuindo com a empresa, como com você mesmo. É muito bom colocar a cabeça no travesseiro e saber que fez a coisa certa, além de te dar mais visibilidade na empresa ou até mesmo no mercado de trabalho. Ou seja, ambos saem ganhando. Seja qual for sua tarefa, faça com gosto, com prazer, com verdade. 

4- Toda empresa vai precisar de uma pessoa tão empreendedora como o dono. Às vezes tem investidores que querem apenas investir e precisa de um profissional que faça praticamente toda a gerência da empresa, passando apenas informações e relatórios aos proprietários, para tomadas de decisão. Esses profissionais são necessários no mercado de trabalho e sempre serão. Um representante da empresa de verdade, sempre será valorizado (na empresa ou até mesmo fora dela, não se preocupe). Só tome cuidado para não absorver responsabilidades além do que consegue lidar ou transferir responsabilidades dos proprietários para você.

5- Vestir a camisa faz parte em qualquer empresa e cargo. Se não gosta do que a empresa oferece, nem ali deveria estar! Pense nisso!

6- O melhor: você vai ganhar muito conhecimento com possibilidades de reconhecimentos e até mesmo ajustes na remuneração (promoção, bonificação)! Afinal, poderá passar por experiências que sequer passaria se ficasse apenas delimitado ao seu cargo. Aprender é sempre bom e vai te preparar para um cargo acima! Seja saudavelmente curioso, disposto e dinâmico. Aprenda até mesmo como é feita a gestão da limpeza, quantas vezes por dia é feito o cafezinho, como foi montada a rede para o funcionamento dos computadores… informação nunca é demais!

Diversas vezes já me perguntei se não estaria me doando demais para a empresa. Mas todo o conhecimento que tenho hoje, se deve à ter buscado todo tipo de informação sobre a empresa, mesmo que por curiosidade (tal informação não serviria para meu trabalho) e desde que eu pudesse realmente saber (informações sigilosas devem ser respeitadas). Além disso, você também é um colaborador e estão todos focados em um bem comum. 

Não importa se você cuida de uma baia de telemarketing ou de uma equipe de 100 pessoas. Apenas cuide como se fosse sua empresa! Tenha em mente que em ambos os casos (empreendedor empresário ou profissional empreendedor) você colherá os frutos por estar se dedicando!


Fonte: Artigos Administradores / Profissional empreendedor: uma nova classe de empreendedores?

Os comentários estão fechados.