Programação Neurolinguística (PNL): crenças e modelagem para o sucesso

Programação Neurolinguística (PNL): crenças e modelagem para o sucesso

Para a PNL, há 5 maneiras mais positivas de pensar e que impactam significativamente nossos comportamentos, criando assim, crenças e filtros mais fortalecedores. Outro conceito relevante é o de modelar pessoas de sucesso

No artigo anterior (Afinal, o que é Programação Neurolinguística – PNL?) falamos sobre a PNL e introduzimos o conceito de filtros de percepção (ou crenças) e modelagem. Neste artigo, falarei mais sobre esses conceitos em função de suas relevâncias. Quando bem aplicado, seja por um profissional coach, seja por autoaplicação (a pessoa utiliza essas técnicas em si mesmo), tem se revelado uma poderosa estratégia de desenvolvimento comportamental e de alta performance, isto em qualquer campo. Experimente e se permita adotar uma estratégia de pensamento e de comportamento diferente do qual vem tentando, caso não esteja conseguindo os resultados desejados. Vamos aos conceitos.

Para a PNL, há 5 maneiras mais positivas de pensar e que impactam significativamente nossos comportamentos, criando assim, crenças e filtros mais produtivos. São elas:

Primeira: pensar e ter atitudes voltadas para os resultados, e não para os problemas. Ou seja, ao invés de pensar de quem é a culpa, seria mais produtivo pensar: frente ao resultado que desejo, que recursos tenho, que recursos preciso e como usá-los para atingir dado objetivo?

Segundo: focar em perguntas do tipo: como? De modo a entender as questões desafiadoras que acontecem, e não na palavra comumente usada: por quê? Por exemplo: em relação a dado problema, como posso enfrentá-lo, resolvendo ou amenizando de forma eficaz?

Terceiro: frente aos resultados inesperados ou indesejáveis, é mais produtivo pensar que esses são feedbacks ou correções necessárias para alinhar as estratégias do que verdadeiros fracassos. Pensar que são feedbacks ajuda a manter o foco em alternativas e aprimorar as estratégias, as ações e as abordagens, por exemplo.

Quarto: mais uma vez trata-se de mudar o ponto de vista, focar em aspectos mais produtivos da situação. Focar em possibilidades, alternativas, opções, o que pode ser feito. Aqui o exercício da criatividade nos é muito útil. Em outras palavras, concentrar em possibilidades em detrimento de se concentrar nas limitações da situação.

Quinto: para encontrar novas alternativas, opções, reformular crenças e pontos de vista desafiando pressupostos, é necessário o exercício e atitude da curiosidade, do fascínio. Antes de acreditar nas próprias verdades e respostas, o que acha de fazer novas perguntas? Como diria Paulo Freire, o não saber faz parte do saber, pois assim me empenho nas descobertas do conhecimento.

Mudar o próprio comportamento e crenças pessoais exige treino, conhecimento, prática, autoconhecimento e dedicação. Além disso, também é necessário mudar as referências, os parâmetros dos quais usamos para tomar decisões comportamentais. Perceber e analisar, de forma sensível, pessoas que possuem os comportamentos positivos que desejamos é o núcleo central da PNL. Chamamos essa técnica, portanto, de modelagem. Modelar significa, de forma resumida, entender e copiar o comportamento, a crença (por que ele o faz) e o como (estratégias externas e de pensamento) de uma pessoa (modelo) que possui características comportamentais de excelência. De uma outra forma, seria se perguntar:

“Quais são os padrões de crenças e comportamentos das pessoas bem sucedidas? Como essas pessoas conseguem esses resultados? Qual a diferença entre o que elas fazem e o que fazem as pessoas que não são bem-sucedidas? Qual a diferença que faz a diferença?” (O´Connor; John Seymour, 1995, p. 193). Modele as pessoas bem sucedidas!

Gostou? Compartilhe!                       

REFERÊNCIAS

O´CONNOR, Joseph; SEYMOUR, John. Introdução à programação neurolinguística: como entender e influenciar pessoas.5 Ed. Trad: Heloísa Martins-Costa. São Paulo: Summus, 1995.

O´CONNOR, Joseph; PRIOR, Robin. Sucesso em vendas com a PNL: recursos de programação neurolinguística para profissionais de vendas. 3 Ed. Trad: Denise Maria Bolanho. São Paulo: Summus, 1997.

MATTA, Villela da; VICTORIA, Flora. Personal & Professional Coaching: livro de metodologia. São Paulo: SBCoaching Editora, 2014.

PhD WEISINGER, Hendrie. Inteligência emocional no trabalho. Trad: Eliana Sabino. Rio de janeiro: Objetiva, 1997.

 


Fonte: Artigos Administradores / Programação Neurolinguística (PNL): crenças e modelagem para o sucesso

Os comentários estão fechados.