Quanto vale sua informação?

Quanto vale sua informação?

Quanto vale sua informação? Qual o valor que você dá a ela. Ou melhor, você tem a exata noção do quanto valor ela tem?

A informação é um conjunto organizado de dados, que constitui uma mensagem sobre um determinado fenômeno ou evento. A informação permite resolver problemas e tomar decisões, tendo em conta que o seu uso racional é a base do conhecimento.

Para as organizações, muitas vezes (na maioria delas) as informações coletadas e geradas em seu processo produtivo, seja ele industrial ou intelectual, são de um valor enorme, porém nem sempre são reconhecidas como tal.

Uma empresa produz informações de vendas, financeiras, sobre seu processo produtivo, sobre seus clientes, sobre sazonalidade, sobre o seu mercado, enfim, informações de incontáveis naturezas e que se bem utilizadas podem ser sim, seu diferencial perante o mercado.

Infelizmente, mesmo no cenário atual, onde vivemos uma onda de tecnologia e informação exageradas, a maioria das organizações ainda não se atentou para o real valor de seus dados armazenados e em trânsito. Ainda vemos empresas às cegas em mercados ricos e promissores, navegando para as pedras, ignorando o poder de suas “bussolas e cartas de navegação” apenas por não saber (ou ter competência de) interpretá-las.

No clássico “A Arte da Guerra”, Sun Tzu já dizia: Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se conhece mas não conhece o inimigo, para cada vitória ganha sofrerá também uma derrota. Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas…”

E que melhor maneira de se conhecer e conhecer seu inimigo (a concorrência) na era da informação? Com uma tonelada de boas informações. Preditivas, informativas, estáticas, dinâmicas, ou seja, de que tipo for. O importante é ter as informações de qualidade, confiabilidade e relevância, a sua disposição para o seu bom uso.

O filme Moneyball, O Homem Que Mudou o Jogo, em português, podemos ver o quanto valem as informações estatísticas, e o quanto elas podem impulsionar um time, e porque não uma organização, a um patamar superior de eficiência.

Não é a toa que os termos Business Inteligence, Big Data, Analytics, entre outros estão entrando gradativamente e criando força no mundo corporativo. Além de se ter dado mais atenção e a devida a importância a assuntos tão rotineiros como segurança da informação, backup, disaster recovery plan. Tudo para se proteger e garantir a disponibilidade e segurança de informações de qualidade.

Criamos então um cenário promissor e bastante rico em oportunidades para os cientistas de dados. Uma nova classe profissional capaz de analisar, extrair e formatar informações relevantes em meio a tanto lixo gerado. Verdadeiros mineradores que consegue extrair valor de onde mais ninguém vê. E isso tem seu preço. Bons profissionais custam caro (e via de regra valem o que se paga a eles), mas nossa cultura tem ainda olhos vendados para algumas tendências.

Um país, rico tecnologicamente como o nosso, sofre com o pensamento arcaico e retrogrado de alguns tomadores de decisão. Assim como Administração é uma habilidade necessária a esses tomadores de decisão, hoje a tecnologia e a informação são habilidades mais que desejáveis, são primordiais para assertividade de suas ações cotidianas.

Precisamos oxigenar nossas empresas, rever nossos conceitos e nos atualizar para um futuro que já está acontecendo em um ritmo frenético, sob o risco de ficarmos no retrovisor de uma nova revolução tecnológica.


Fonte: Artigos Administradores / Quanto vale sua informação?

Os comentários estão fechados.