Quebra de paradigma: a tecnologia mobile e a busca por novas oportunidades de trabalho

Quebra de paradigma: a tecnologia mobile e a busca por novas oportunidades de trabalho

O hábito de fazer quase de tudo via smartphones tem levado também as pessoas a desenvolverem novos hábitos, entre eles, procurar uma nova oportunidade de trabalho pelo celular. Sem dúvida, o grande atrativo é a praticidade de candidatar-se a uma vaga, a qualquer momento, em qualquer lugar, com a privacidade que um celular é capaz de oferecer. É possível candidatar-se ainda a uma vaga e olhar para o colega do atual trabalho, sentado na mesa ao lado, com a mesma tranquilidade de quem envia uma mensagem para sua mãe.

Segundo a levantamento feito no fim do ano passado pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, 48% dos brasileiros acessam a internet regularmente, sendo que 66% o fazem por meio de celulares.

O grande objetivo desta busca por mobilidade é conectar-se ao mundo por meio dos “viciantes” apps de redes sociais, Whastapp e jogos online. Outros recorrem aos celulares para checar seus emails, fazer pesquisas no Google, ouvir música, assistir vídeos e, eventualmente, fazer compras. Até aí nenhuma grande novidade.

A questão é que esse hábito de fazer quase de tudo via smartphones tem levado também as pessoas a desenvolverem novos hábitos, entre eles, procurar uma nova oportunidade de trabalho pelo celular. Sem dúvida, o grande atrativo é a praticidade de candidatar-se a uma vaga, a qualquer momento, em qualquer lugar, com a privacidade que um celular é capaz de oferecer. É possível candidatar-se ainda a uma vaga e olhar para o colega do atual trabalho, sentado na mesa ao lado, com a mesma tranquilidade de quem  envia uma mensagem para sua mãe.

A TMP Worldwide, líder global no desenvolvimento de novas tecnologias, estratégias e soluções para atrair e reter os melhores talentos, apresentou recentemente um estudo sobre o comportamento na busca eletrônica e mobile por uma nova oportunidade profissional. Após analisar mais de 110 milhões de visitas de candidatos de 240 países aos sites de carreira desenvolvidos em sua plataforma TalentBrew, a TMP constatou que cerca de 24% dos acessos e candidaturas a oportunidades profissionais no mundo, já acontecem no ambiente móvel.

O estudo revela ainda que, quando o assunto é busca por oportunidades, os países mais “mobile” do mundo são Reino Unido e Holanda. Mais de 30% dos candidatos destes países já se renderam à tecnologia. Enquanto isso, no Brasil, apenas 11% dos candidatos acessam a mesma plataforma via celulares com esta finalidade.

Essa diferença entre nosso país e os dois europeus em questão ressalta que temos um potencial de crescimento maior em proporção aos demais países, dado o tamanho da nossa população e o potencial e crescente acesso à tecnologia que temos.

Com o barateamento das tecnologias móveis e do acesso à web, em menos de dois anos, 40% dos candidatos mundiais procurarão novos empregos através de seus smartphones. Esta é uma tendência que não tem volta e só vai crescer. E, para as oportunidades de trainees e estagiários, provavelmente este índice será ainda maior, dado a familiaridade das novas gerações no uso e aceitação destes canais.

Os smartphones representam mais uma quebra de paradigma na forma de recrutar e, a médio prazo, devem ainda impactar diretamente os processos seletivos, com entrevistas mais ágeis, testes de lógica, inglês, entre outros, tudo no universo mobile.

E, para isso, as empresas estão correndo contra o tempo para atualizar suas estruturas digitais e aumentar a presença no ambiente mobile. As organizações precisam estar preparadas, decididas e não apenas seguir uma “moda” ao optar por esse novo recurso.

As marcas empregadoras e as metas das áreas de recursos humanos devem estar alinhadas e tudo deve levar na direção dessa evolução tecnológica. E a importância de fazer com que o discurso que uma empresa leva ao mercado seja seguido na prática é fundamental na cristalização da credibilidade de sua marca empregadora. Ou seja, se uma empresa precisa atrair perfis inovadores, jovens, ligados em tecnologia, por exemplo, é imperativo fazer um trabalho bastante presente no meio digital e mobile quando organizar sua estratégia de atração, recrutamento e seleção de talentos. Caso contrário, a organização não estará cumprindo a promessa que dizia ter.

Employer Branding não pode ficar apenas no discurso, em quadros pendurados na parede, com missões e visões de futuro. Marca é o que se pratica, a promessa entregue de forma clara, visível e próxima das aspirações de seus potenciais candidatos.

Em suma: estas ferramentas são muitos úteis, porém precisam ser utilizadas em sua plenitude, para ter seu valor percebido. Os projetos precisam ser feitos de maneira completa e abrangente. Ao assumir uma plataforma mobile, a exemplo também das redes sociais, as empresas devem ter, acima de tudo, agilidade na interação e envio de respostas aos candidatos.

Tudo isso é construído para aproximar talentos e empresas e não pode ter o efeito contrário. As empresas que não mergulharem de cabeça e atuarem nos canais de maneira corajosa, transparente e completa, podem ver o tiro sair pela culatra. Todas as empresas estão sujeitas se tornarem assunto de um grupo de pessoas nas redes sociais. Cabe a cada uma delas decidir participar ou não desta discussão e colocar seus pontos de vista. Vale dizer, que caso não o faça, as pessoas irão completar a história por você.


Fonte: Artigos Administradores / Quebra de paradigma: a tecnologia mobile e a busca por novas oportunidades de trabalho

Os comentários estão fechados.