Resiliência, nossa força secreta

Resiliência, nossa força secreta

A nossa resiliência nos permite enfrentar uma situação adversa, complexa, estressante resistir até encontrarmos uma solução e retornar como uma pessoa vitoriosa, com mais conhecimentos, mais autoconfiante.

Antes de comentar essa afirmação do título, para facilitar o entendimento, vamos iniciar com a definição de resiliência contida no meu novo livro sobre o tema.

Resiliência é uma força interna, com a qual nascemos e, portanto, podemos desenvolvê-la, assim como conseguimos desenvolver fisicamente nosso corpo através de exercícios.

A nossa resiliência nos permite enfrentar uma situação adversa, complexa, estressante resistir até encontrarmos uma solução e retornar como uma pessoa vitoriosa, com mais conhecimentos, mais autoconfiante.

Muitas pessoas até enfrentam uma situação adversa, complexa, estressante, mas ou desistem no caminho ou desistem na procura do descobrimento da solução de um problema. Falta-lhe a garra que somente as pessoas altamente resilientes possuem para sequenciar a busca da solução.

Tiger Woods, um dos melhores jogadores de Golf do mundo é um excelente exemplo de profissional resiliente e dispensa comentários sobre porquê.

As pessoas altamente resilientes ficam mais bem preparadas para as novas empreitadas na vida pessoal e profissional. E sendo resilientes, elas retornam física e mentalmente como estava antes de enfrentar um desafio. Logicamente, não somos uma mola, somos humanos ou seja, precisamos um certo de tempo após o retorno para voltar ao normal. O que se observa é que as pessoas menos resilientes demoram muito mais para absorver o processo todo.

O desenvolvimento da resiliência que ocorre nos processos de enfrentar desafios, funciona como um exercício físico; que é trabalhoso, nos faz transpirar.

Durante e depois dessa atividade, é produzida uma substância natural, chamada endorfina que sendo transportada pelo sangue para as células, regula a emoção e a percepção da dor, ajudando-nos a relaxar e gerando bem-estar e prazer e assim somos levados a praticar com constâncias os exercícios.

Em suma, a resiliência não é um traço de personalidade que a uma pessoa tem ou não tem. Todos nós nascemos resilientes e essa herança genética, envolve comportamentos, pensamentos e ações que podem ser aprendidas e apreendidas sendo possível a cada indivíduo desenvolver a sua própria resiliência.

Pode-se dizer que é um tipo de competência que pode ser desenvolvida.

Isso nos leva a concluir que as pessoas que têm uma resiliência bem desenvolvida, aliada a uma grande autoestima, disciplina, responsabilidade, receptividade e tolerância ao sofrimento tem mais chances de ter uma carreira de sucesso.

ORIGEM DO TERMO

O termo Resiliência já existe há um bom tempo.

Mas foi graças ao cientista inglês Thomas Young fazendo experiências com a plasticidade dos materiais deu grande promoção a esse termo.

 Nas suas pesquisas, por volta de 1817, trabalhando com a elasticidade de materiais rígidos, tais como barras de metal, percebeu que elas retornavam ao se estado inicial, sem deformação após ser eliminada a pressão sobre elas, contribuiu para a divulgação do termo Resiliência.

Thomas Young era conhecido como “o homem que tudo sabe”.

Considerado um gênio; falava 14 línguas, dominava a Física, os Clássicos, a História, e construía instrumentos. Era Médico, Físico, Egiptólogo.

 Já lia com facilidade aos dois anos de idade e aos quatro lia a Bíblia

Na época existia controvérsia se a luz se movimentava por corpúsculo numa linha reta ou em ondas.

Teoria Mecanicista = luz corpúsculo, linha reta, como nos sinalizadores a laser usados pelos palestrantes.

Teoria Quântica = luz é uma onda, como a onda que uma pedra faz num lago tranquilo

 Ele construiu um aparelho e mostrou através da experiência chamada Dupla Fenda, que a luz se movimentava em onde e corrigiu Descartes e Isaac Newton

 Aos leitores mais interessados no tema, ou mesmo mais curiosos por coisas extraordinárias,

sugiro que entre na Internet e procure por Teste ou Experimento da Dupla Fenda. É realmente impressionante.

 APLICAÇÃO DO CONCEITO DE RESILIÊNCIA

 O conceito saiu do campo da Física e ganhou importância como avaliação do funcionário ante uma situação estressante.

 Permite identificar a resiliência de funcionário que passando por uma situação difícil, consegue não só superar os problemas assim como ficar mais fortalecido com após o processo.

 A resiliência, à medida que vai sendo desenvolvida ao longo da vida, vai também se ajustando seguindo determinados os eventos enfrentados.

Um Diretor, sofre pressões diferentes das de um funcionário Administrativo. Isso se pressupõe experiências diferentes, de maiores responsabilidades, e que acaba causando efeitos, ajustes diferentes, sem bem que o efeito é sempre o mesmo; modifica a personalidade, torna a pessoa mais otimista e segura pela sua vivência.

Já está sendo aceito pelos especialistas, que a Alta Resiliência é a principal competência dessa primeira metade do século 21

SÍNDROME DE GABRIELA

Algumas pessoas parecem sofrer dessa síndrome, existente na letra da música Modinha Para Gabriela.

Infelizmente tem gente que acaba se deixando levar de forma passiva, nada saudável, pelos dissabores da vida. A resignação impede a luta contra os problemas, vira acomodação, e deixa a pessoa paralisada.

 No caso, a baixa resiliência que a letra da música Gabriela revela não a ajuda ela se renovar suas as atitudes diante das adversidades.

 Com esse baixo nível de resiliência, a “Gabriela” não se preocupa em vencer desafios e aprender com cada um deles uma nova lição de motivação e autoconfiança.

 Se é para cantarolar que seja a música de “Volta Por Cima” do compositor Paulo Vanzolini.

 


Fonte: Artigos Administradores / Resiliência, nossa força secreta

Os comentários estão fechados.