Transformando seu negócio em uma rede de Franquias de Sucesso

Transformando seu negócio em uma rede de Franquias de Sucesso

Essa é uma série de artigos que tem como objetivo esclarecer pontos no que se refere à transformação de um NEGÓCIO DE SUCESSO em uma REDE DE FRANQUIAS DE SUCESSO.

Atualmente, nosso país passa por uma crise política e econômica que acaba reduzindo as possibilidades de negócios, causando desemprego, diminuição da renda da população, aumento da inflação e por fim uma diminuição do PIB real do país. Nesse cenário, são poucos os negócios que conseguem sobreviver e menor ainda é o número de negócios que conseguem manter algum nível de crescimento.

Em meio a essa situação, alguns segmentos estão sofrendo para conseguir ao menos manter suas portas abertas. Já para o segmento de franquias a realidade é outra, continuam crescendo e melhorando seus números. Enquanto o PIB teve um declínio de 3,8 % em 2015, o segmento de franquias cresceu 8,3 % no mesmo período, levando o faturamento do setor para 139,593 bilhões de reais.

Em 2015 o numero de empresas franqueadoras no Brasil passou para mais de 3.000 marcas, 4,5% a mais que em 2014. Com isso, também aumentaram o numero de operações/unidades franqueadas novas inauguradas, com um crescimento de mais de 10%, passou para mais de 138 mil lojas abertas só em 2015. Todas essas empresas juntas geraram mais de 1,1 milhão de empregos diretos e só em 2015 foram criados mais 90.000 novos postos de trabalhos, o que significa um crescimento de mais de 8% em relação a 2014.

De todas as redes franqueadoras presente no país mais da metade estão localizadas em São Paulo. Isso significa que o estado de SP é muito propício para novos negócios e está aberto a acolher novas tendências e negócios diversificados.

Assim, olhando esses números, quase instintivamente quando um empresário possui um negócio local de sucesso, ele começa a pensar na possibilidade de franquear seu negócio.

Com isso, é indispensável parar e antes de qualquer decisão, devem ser realizados estudos para embasar a decisão de franquear, em fatos e não apenas em um instinto ou vontade do empresário. 

Nesse momento, como em qualquer decisão importante, seja no âmbito pessoal, profissional ou empresarial, o planejamento é uma etapa crucial para o sucesso e assertividade da decisão.

Antes da decisão de franquear um negócio de sucesso é necessário passar por uma etapa de planejamento na qual será definido se essa empresa de sucesso local, possui potencial para poder formar uma empresa franqueadora.

Essa análise recebe o nome de Análise de Franqueabilidade e é composta por uma série de passos intermediários que devem ser realizados e avaliados para poder responder a simples pergunta: é possível franquear meu negócio?

Como toda análise de negócios, não existe um passa a passo estruturado e genérico de como desenvolver essa análise, cada empresa é única e as variáveis a serem observadas devem ser levantadas de acordo com a fase que a empresa está passando, variáveis como seu porte, o tempo que essa empresa atua nesse mercado, portfólio de produtos que a empresa possui, sua relação com fornecedores e a estrutura organizacional da empresa, são variáveis fundamentais para começar a traçar a Analise de Franqueabilidade.

Como dito no parágrafo anterior, não existe um modelo passo a passo para realizar essa análise, porém existem alguns pontos chaves que devem ser observados independentemente do porte, segmento de atuação ou fase de desenvolvimento do negócio. São variáveis genéricas presentes em qualquer empresa, no entanto, cuidado: a Análise de Franqueabilidade não pode se limitar a essas varáveis, pois existem variáveis especificas de cada segmento/negócio que devem ser levantadas e analisadas para completar o estudo. Os pontos a serem observados são os seguintes:

 

1 – Análise do mercado e da indústria: No primeiro momento é necessário fazer uma análise profunda do mercado em que a empresa atua. Devem ser analisadas as forças e fraquezas e o pontos fortes e fracos dos concorrentes, se já existe empresa franqueadora no segmento, uma analise sobre os fornecedores que dimensione a capacidade de fornecimento para atender uma rede de lojas e por último, mas não menos importante, a capacidade do mercado de absorver a oferta de produtos gerada pela  instalação de novas lojas da marca;

 

2 – Análise da empresa franqueadora: Após a realização da Analise de Mercado, é necessário analisar se a empresa franqueadora possui estrutura para poder iniciar o processo de Franqueabilidade. Nesse ponto, é analisado se o produto da empresa possui grande aceitação do público alvo, se a empresa possui padronização nos processos produtivos/prestação de serviços, se a empresa já possui a marca registrada de sua empresa;

 

3 – Análise econômica e financeira do franqueador: Outro ponto importante é analisar se a situação econômica/financeira do franqueador é sólida, pois, para iniciar o processo de franqueabilidade é necessário um investimento, que vai depender do estágio que a empresa franqueadora está, e como todo investimento tem um tempo de maturação, durante esse período a empresa franqueadora deverá manter a sua operação financeiramente, já que nas primeiras franquias ela poderá trabalhar deficitária;

 

4 – Estrutura da franqueadora: Deverá ser analisado se a empresa franqueadora tem capacidade de atender as empresas franqueadas no que se referem as suas estruturas. Normalmente, empresas franqueadoras vendem algum produto aos franqueados, nesse caso, a empresa franqueadora deverá ter capacidade ociosa de produção para atender o plano de expansão. Mas, mesmo que a franqueadora não venda nenhum produto aos franqueados, existe a prestação de serviços para o franqueado, como material publicitário, material de treinamento do franqueado e sua equipe, acompanhamento das operações com os consultores de franquia, assessoramento jurídico entre outros. Assim, o franqueador deve analisar se terá condições de atender de forma satisfatória a todas as franquias com sua estrutura organizacional, sem perder a qualidade do serviço prestado;

 

5 – Originalidade do portfólio: Toda empresa necessariamente vende algum produto ou serviço, e dentre as franquias o produto tem um papel fundamental, que é identificar aquela marca frente a um mercado consumidor. Ter produtos exclusivos faz com que a imagem da marca criada na mente do consumidor seja a de estar consumindo produtos únicos e acaba despertando o interesse pela originalidade do portfólio;

 

7 – Definição própria de seus diferenciais: Além dos diferencias em produtos a empresa franqueadora pode inovar e criar diferencias estruturais em seu negócio. Seja na aquisição de um equipamento que resultará em aumento da produtividade, seja na criação de um layout de loja otimizado para atender os clientes ou seja na criação de um sistema de informação que leve informação certa, na hora certa, para a pessoa certo, a empresa pode criar uma identidade totalmente nova em relação aos players já estabelecido no mercado e com isso criar o interesse por parte dos clientes em experimentar a experiência de compra inovadora que essa estrutura pode proporcionar.

 

8 – Política de preços: Após a definição dos produtos ou serviços oferecidos e a criação da estrutura operacional da empresa franqueadora e das franquias, o franqueador deve se preocupar com a criação de uma Política de Preços compatível com o público que deseja atender. É importante analisar nesse momento a estrutura de preços da concorrência, analisar o público que a empresa pretende atender, além de levar em consideração o custo para manter a estrutura operacional funcionando adequadamente;

 

9 – Plano de expansão: Após a definição dessas variáveis de caráter operacional da empresa franqueadora e das franquias, passamos para o passo de desenvolver o plano de expansão da empresa franqueadora. Nesse ponto, será analisado quais são os territórios que a empresa franqueadora pretende atender, definir a divisão geográfica territorial entre as franquias para evitar conflitos de canais, definir se há expansão será realizada de forma massiva ou se será criadas lojas pilotos para testar o modelo, se cada franqueado poderá ter uma ou mais operações,  se a empresa franqueadora terá capacidade logística de atender todas as unidades além de outras questões importantes;

 

10 – Estudo do perfil do franqueado: A análise do Perfil do Franqueado é um passo muito importante, pois é nesse momento que o empreendedor definirá qual o perfil do potencial franqueado para a marca. Nesse ponto é importante criar um perfil compatível com os valores e cultura da empresa. Quanto maior for o alinhamento entre o perfil do franqueado e o perfil desejado pela franqueadora, maiores são as probabilidade de uma operação franqueada ter sucesso. Obviamente, que esse perfil pode sofrer alterações ao longo da existência da empresa franqueadora.

 

11 – Localização de pontos de venda: Dentro do plano de expansão são definidos os territórios que a empresa franqueadora pretende atender. Para a definição adequada da localização das lojas é necessário realizar um estudo de GeoMarketing no qual é analisado todas as variáveis relacionadas com o ponto comercial. É analisado o fluxo de veículos e pedestres ao redor do imóvel, é analisado se o ponto possui fácil acesso e, quando, necessário, se o ponto possui local para estacionar, outro ponto importante é analisar se as atividades a serem desempenhadas pelas operações são permitidas dentro das classificações de zoneamento da Prefeitura onde a unidade será instalada;

 

12 – Análise da unidade franqueada: Após a escolha do ponto é necessário fazer um estudo detalhado da unidade franqueada e do local onde será instalada, e definir todo o cronograma para implantação da operação, desde a preparação e reforma do ponto comercial, passando pelas ações de marketing de pré-abertura, contratação e treinamento da equipe do franqueado, até o planejamento do dia da inauguração e ações de pós-inauguração para trazer potencias clientes para conhecer o novo negócio que está iniciando.

 

Como pôde ser observado nesse artigo a simples decisão de franquear um negócio deve ser tomada com muito cuidado e sempre baseada em estudos técnicos para que haja segurança tanto para o franqueador, que investiu tempo e dinheiro no processo para poder franquear, quanto para o franqueado, que muitas vezes juntou um capital ao longo da vida toda e quando decide investir em um negócio franqueado quer ter um certo grau de segurança. Obviamente que, por se tratar de negócio, por mais sólida que seja a empresa franqueadora, não existe a garantia de sucesso da franquia, mas há uma significativa diminuição no risco do negócio, se comparado aos negócios tradicionais.


Fonte: Artigos Administradores / Transformando seu negócio em uma rede de Franquias de Sucesso

Os comentários estão fechados.