Vamos planejar suas finanças?

Vamos planejar suas finanças?

Este é um assunto que permeia a todas as pessoas que possuem contas para pagar, sonhos a realizar, investimentos a fazer, viagens para gozar . Você é uma delas? Então este texto tem algo para lhe oferecer

Após alguns anos de vivência no meio corporativo e no convívio diário com pessoas de vários tipos, vários níveis de educação,  de perfis distintos, criações diferentes, pude perceber que tratar de finanças pessoais era e é um grande desafio e que ainda existe uma grande parcela dessas pessoas que não tem controle sobre seus gastos ou nem sabem como gastam o que tem. E observando todo esse público, pude perceber algumas características comportamentais similares quando o assunto é finanças pessoais. São elas:

  • Houve um crescimento rápido em relação  a renda mensal e, consequentemente, mudança no padrão de vida, no convívio social, o que fez o status ser item de grande relevância;
  • Não possuem conhecimento suficiente para compor seu orçamento;
  • São pessoas com pouca coragem para lidar com seus gastos, com sua própria realidade;
  • Estão acomodadas no estilo de vida e na rotina di seu dia a dia.
  • Procrastinam a organização financeira;

E várias outras características… Mas o que não sabem é que planejar sua vida financeira é,  basicamente uma questão  de atitude. Boa parte da população (como vemos nas notícias periodicamente) desconhece parte de suas fontes de despesa, onde podem economizar, onde não podem, o que pode ser negociado, e muitas delas vivem bem desta forma.

Mas a maioria estaria mais satisfeita se tivesse total consciência de seus planos financeiros.  Então,  como planejar com eficiência sua vida financeira? Vamos planejar suas finanças?

Primeiro, precisamos estar convencidos de que essa é uma atitude positiva. Vamos aos fatos. Com planejamento é possível :

  • Alcançar objetivos;
  • Realizar sonhos;
  • Viver de renda;
  • Viajar;
  • Curtir com mais tempo família e amigos;
  • Ter tranquilidade mesmo em tempos de crise;
  • Saber sobre as oportunidades  do mercado;
  • Negociar com instituições financeiras …

Entre tantas outras. Está  convencido?  Ainda não?  Bom, e se eu te dissesse que isso é  possível em um curto prazo? Em no mínimo 6 meses? Pois é,  aprender a planejar suas finanças  é  possível neste tempo. A única coisa que se exige é disciplina e foco.

Primeiro passo: Faça uma relação de todas as suas receitas, de todas as fontes de rendimentos para um período de 12 meses. Caso sua remuneração seja variável,  considere sua média de recebimento dos últimos 12 meses para projeção dos próximos 12 aliás,  pretende-se sempre melhorar, não  é  verdade?

Segundo passo: Relacione todas as suas despesas fixas, ou seja, aquelas que são  difíceis de ser renegociadas, que já  possuem um valor contratual definido e que tem periodicidade pré determinada. Ex.: prestação da casa, condomínio,  aluguel, prestação  do carro, plano de saúde.

Terceiro passo: Liste agora as despesas semi variáveis, ou seja, aquelas que possuem uma periodicidade mas dependem do seu consumo para aumentar ou diminuir ex: almoço,  luz, água,  telefone, transporte. Liste também  as despesas variáveis (ou extras), que não  tem periodicidade para acontecer,  dependem exclusivamente do seu consumo. Ex. Roupa, cartão de crédito,  empréstimos,  lanches, restaurantes, diversão.

Quarto passo: Depois de levantar todas estas informações, crie um sistema de acompanhamento e controle destes dados, ou seja, crie uma planilha no Excel, um caderno de anotações, uma folha de cartolina, iniciando com as receitas, depois as despesas e depois o saldo. O local onde irão ser anotadas estas informações não é o mais importante, o mais importante é tomar o conhecimento da situação real da sua vida financeira e da sua família.

Quinto passo: Pronto! já temos um panorama das suas finanças pessoais, que já é uma conquista muito importante. Agora precisamos analisar as fontes de despesas mais onerosas, que consomem a maior parte da nossa renda para verificar a possibilidade de renegociação, quitação, minimizar o gasto, mudança de hábito.

Nessa fase de analise é suma importância que haja uma busca de informações, seja no agente bancário, com profissionais da área de finanças, com professores da área. Essas informações serão úteis para muni-lo com as melhores alternativas para regularizar suas finanças. Cabe ressaltar a importância da MUDANÇA DE HÁBITO, ou seja, estar convencido de que é preciso mudar de atitude em relação ao dinheiro, que ele pode ser uma ótima solução, que o crédito é uma ótima alternativa de investimento, desde que utilizado com consciência.

Procure neste momento verificar a possibilidade de abatimento de financiamentos com uso do FGTS, aquisição de crédito pessoal em desconto em folha, onde as taxas de juros são mais atrativas, regularização das fontes mais caras de crédito como cartão de crédito, cheque especial, crédito pessoal em financeiras ou bancos (que trabalham atualmente com taxa de juros média de 7 a 9% a.m.), fazer aquisições apenas do que é necessário (isso pelo menos nos 3 primeiros meses), e o mais importante: ACOMPANHE. O acompanhamento deve ser diário mas se não for possível, deve ser feito no máximo semanalmente, para que os gastos extras não fujam do seu controle.

Gerindo suas finanças, tendo maior controle sobre elas, tenho certeza que será uma pessoa mais tranquila, certa de seus sonhos, investimentos, experiências, possibilidades e quem sabe, será também um novo investidor. Por que não?


Fonte: Artigos Administradores / Vamos planejar suas finanças?

Os comentários estão fechados.