Você pode ser o próximo

Você pode ser o próximo

As emoções não diferem tal qual o comportamento humano se apresenta. Suas manifestações podem ter causas totalmente contrarias em cada pessoa, mas na súmula as emoções equivalem-se de um mesmo parâmetro., o fator humano

Quanta maledicência está sendo proferida contra irmãos que buscam pelos próprios meios de entendimento, uma maneira de sanar os medos e repreensão social, mesmo que através do uso exacerbado de drogas. A sociedade com pensamentos e propósitos falsos criam uma oportunidade mental para “criticar”. E a crítica é um erro humano que provoca na mais singela emoção um dano irreversível.

É evidente que o uso das drogas não é dos males, o pior. É apenas uma fresta para o maior de todos os problemas, o “abandono” humano dos sentimentos. A integridade humana não se mede pelas questões ilícitas que o ser humano venha a se tornar usuário. Mas, pelo desleixo nos lares, pelo pouco caso que pais, irmãos, parentes e amigos fazem em relação à educação moral e intelectual. Intelectualidade e educação não significa o ingresso em escolas de alto gabarito, nem a presença em salas de aula. A integridade está em interagir através de vínculos afetivos que garanta maior seguridade emocional e tranquilidade mental. As famílias contemporâneas presam pelo conceito de escolas e faculdades como sendo elas as responsáveis por moldar o senso moral do individuo e excluem-se como sujeitos com capacidades de amparo familiar, e na maior parte dos casos entregam qualquer responsabilidade que detém aos zelos acadêmicos.

Vejo jovens numa libertinagem emocional sem controle exato daquilo que afetam seus comportamentos. São horas intermináveis de baladas, finais de semana dedicados ao puro prazer das emoções imediatistas, se embriagando com felicidades ilusórias. São consumidores necessitados de alívio momentâneo, e que recorrem às práticas licitas de acordo a lei, mesmo que ilícita diante da moralidade. Não felizes, alguns grupos de amigos afins concluem a farra ao amanhecer. Depois voltam para as casas deles, uns carregados, outros vomitando, outros alegres, e outros sadios. Portanto, serão aqueles nas ruas e sem moradia, tomados pelo medo e pela fome do vicio, e ainda, carentes de um alimento saudável; diferentes dos que transitam pela noite da ilusão? Ou são idênticos em comportamento e emoção?

Certamente são distintos em classe, mas não em situação emocional. As diferenças de classes se perdem quando uma pessoa se deixa entregar pela vaidade, da auto anestesia cerebral, consumo exacerbado de álcool. Mas a distinção é que para uns ao término da noite ainda existe um lar, e para aqueles que se embriagam nas ruas com produtos ilícitos, resta ao amanhecer a fétida discriminação da população. Mas lembre-se essas pessoas também tinham um lar, uma família que os esperavam chegar de algum lugar. Não as menosprezem, pois o papel que você exerce hoje, poderá ser alterado no amanhã.

Usuários de drogas e exilados nas ruas das grandes cidades requerem não apenas de alimentos, promessas vãs e pilhas de projetos sociais para mudarem de vida, necessitam de dignidade e isso não se consegue entre quatro paredes com analises gráficas, não desconsiderando tal importância. Mas, deve-se perceber que cada situação requer um imediatismo concernente ao momento presente, principalmente no que afeta a condição humana.

Não da para menosprezar pessoas dependentes, e resumir as vidas delas em processos de reabilitação. É necessário empenho fundamental nas características humanas, e elas começam pelo apoio moral, compreensão das situações e, sobretudo o AMOR. Não existe reabilitação verdadeira se não existir a empatia, uma relação mutua de carinho. Nossos dias não nascem prontos, mas, temos a habilidade de cria-los.

Pense nisso! Pense em quantos dias você está criando em prol ao seu semelhante. Claro que a diversão é importante, porém, mais importante é alegrar-se (ante) a felicidade daqueles que superaram os maiores tormentos.

O propósito da moral humana está na capacidade do amor que pode ofertar ao próximo. Amar e curar os ferimentos da alma. É certo que quando existir mais beleza nos atos do que na aparência, as classes não mais serão sinônimo de divisão, e sim uma família.

Fraterno abraço!


Fonte: Artigos Administradores / Você pode ser o próximo

Os comentários estão fechados.