Você recebe tanto quanto ganha?

Você recebe tanto quanto ganha?

A maioria das pessoas não entende a pergunta, mas na verdade é bem simples. Todas as nossas atividades diárias permeiam o campo social, além do campo econômico. Basta um pouco mais de atenção para perceber que ganhos e salário são coisas bem diferentes

Imagine que no seu contracheque, aquele mesmo de todo mês, sejam incluídos outros itens, não só a sua remuneração e os impostos cotidianos, mas também os ganhos que você obtém durante o mês no seu trabalho ou atividade remunerada. Esqueça os valores nominais representados pelas cifras e concentre-se apenas no valor subjetivo das coisas que permeiam o seu trabalho e o ambiente onde você exerce suas atividades. Agora mais uma pergunta: Vale a pena? Isto é, você trabalharia no mesmo lugar sendo remunerado apenas pelo que recebe e não pelo que ganha?

Meu objetivo aqui não é desmerecer de forma alguma o valor que as coisas têm, em termos financeiros. Mas te levar a uma reflexão sobre os elementos que são recebidos nessa atividade social de troca, chamada de trabalho. Todos nós estamos acostumados com os valores em reais que geralmente aparecem no contracheque. Mas e o contracheque que não é expresso em valores monetários? Tudo aquilo que recebemos no trabalho, nos estudos, etc. Desde a mais simples motivação até aqueles ensinamentos que irão nos acompanhar durante toda a vida profissional, social e acadêmica.

Desde ensino médio, reconheço que recebi muitas contribuições que nunca poderiam ter sido mensuradas monetariamente, desde grandes amizades de colegial, até filosofias de vida e valores, que são muito incisivos na minha vida acadêmica, hoje na faculdade e que farão com certeza, grande diferença na minha vida profissional. São elementos que servirão de herança social por muitos anos, mas que não se encaixam numa análise quantitativa. Os números são frios demais para que possam demonstrar de forma coesa o que aquelas pessoas, situações e contexto significaram para mim.

No atual contexto em que vivemos, na minha humilde opinião, a valoração do subjetivo também deve ser levada em conta. Mesmo quando a corrupção e os outros atos ilícitos praticados em nome do dinheiro, parecem mais atrativos, são os valores não mensuráveis financeiramente que representam o quanto recebemos e não o quanto ganhamos. Ou seja, aqueles valores que aparecem no contracheque não são suficientes para contabilizar tudo aquilo que absorvemos na nossa rotina no trabalho, na faculdade, etc.

Portanto, cabe uma análise crítica em relação aos valores que servirão de norte e base para o nosso desenvolvimento pessoal e profissional, muito mais do que pessoas bem remuneradas, devemos ser pessoas bem afortunadas, em relação aos nossos valores não monetários. Se você recebe mais em espécie do que em valores, ideias e conceitos abrangentes, que fazem a diferença, esse é o momento para repensar no rumo que sua vida está tomando


Fonte: Artigos Administradores / Você recebe tanto quanto ganha?

Os comentários estão fechados.